sexta-feira, janeiro 12, 2007

Cuidado com o gigante!

Cidadãos do Mundo,

é preciso estar atento às mudanças, e parece que a estrutura blogger onde está inserido Cidadãos do Mundo está a 'sugerir' que tenhamos uma conta no google. Este está a tornar-se um gigante e com isso muito poderoso no futuro próximo.

Entendo que não deverá ser alimentado sob pena de estar a contribuir para a sociedade controladora perigosa que já foi profetisada.

Um abraço

segunda-feira, dezembro 04, 2006

Apenas, o combatente

Caros cidadãos,

O combate é duro. Se fosse fácil não haveria combate, nem glória. Os dias passam, e quando se foge da batalha é registada uma derrota. Penso que só se deverá combater quando se sabe o porquê da acção. Persegue-se um patamar mais elevado e por vezes caí-se aos trambolhões. A Vontade é imprescindível. Só com ela é possível combater vitoriosamente o nosso Ego e descobrirmos quem realmente somos.


Bom combate a todos!

quinta-feira, novembro 16, 2006

O nosso maior desafio?

Cidadãos do Mundo,

até que ponto já esquecemos de ser alguem fora dos padrões a que fomos e somos obrigados a seguir?

é impossível não sofrer alterações causadas pela educação que nos foi dada. não me refiro apenas à educação familiar mas de todo o conjunto de valores, comportamentos, conceitos que nos foram transmitidos.

quando somos adultos, ou quando temos consciencia de nos próprios, da nossa dimensão enorme, quando podemos encontrar o que há de essencial temos a obrigação de batalhar por essa independencia? é um caminho dificil? ou é fácil mas exige coragem?

A musica Logical song dos Supertramp faz-me pensar nisto. Será cobardia acomodarmo-nos?

Boas descobertas, cidadãos!



Supertramp - Logical Song

When I was young, it seemed that life was so wonderful,
a miracle, oh it was beautiful, magical.
And all the birds in the trees, well they'd be singing so happily,
joyfully, playfully watching me.
But then they send me away to teach me how to be sensible,
logical, responsible, practical.
And they showed me a world where I could be so dependable,
clinical, intellectual, cynical.

There are times when all the world's asleep,
the questions run too deep
for such a simple man.
Won't you please, please tell me what we've learned
I know it sounds absurd
but please tell me who I am.

Now watch what you say or they'll be calling you a radical,
liberal, fanatical, criminal.
Won't you sign up your name, we'd like to feel you're
acceptable, respectable, presentable, a vegetable!

At night, when all the world's asleep,
the questions run so deep
for such a simple man.
Won't you please, please tell me what we've learned
I know it sounds absurd
but please tell me who I am.

terça-feira, novembro 14, 2006

Noite de Outono

"... O frio, combatido com camisolas, meias de lã e chá, era por fim esquecido com os sorrisos que trocavam. O moinho transformava-se no reduto da felicidade.”

In "Escolhendo os feijões", Autor desconhecido

sábado, novembro 11, 2006

Recuperar o Magusto

Cidadãos,

hoje é dia de S. Martinho. Há uns tempos atrás escrevi neste blog um artigo sobre um encontro de amigos e lembrei-me hoje como seria bom recuperar a velha tradição do Magusto, com castanhas e agua pé.

Penso que fazem falta aos cidadãos urbanos (como eu) convívios deste tipo. Serão momentos de verdadeiro descanso. Acredito que não sou o único a pensar e a gostar nesta ideia. Falta uma parte importante, a execução da ideia. Uma hipotese muito válida, candidata ao top 10 dos votos para o ano 2007.

Sobre S. Martinho nada melhor como um blog desta comunidade: S.Martinho

Bom magusto para todos!

sábado, novembro 04, 2006

AMIGO

Milton Nascimento - Canção Da América

Amigo é coisa para se guardar
Debaixo de 7 chaves,
Dentro do coração,
assim falava a canção que na América ouvi,
mas quem cantava chorou ao ver o seu amigo partir,
mas quem ficou, no pensamento voou,
o seu canto que o outro lembrou
E quem voou no pensamento ficou,
uma lembrança que o outro cantou.
Amigo é coisa para se guardar
No lado esquerdo do peito,
mesmo que o tempo e a distância digam não,
mesmo esquecendo a canção.
O que importa é ouvir a voz que vem do coração.
Seja o que vier,
venha o que vier
Qualquer dia amigo eu volto pra te encontrar
Qualquer dia amigo, a gente vai se encontrar.

terça-feira, outubro 17, 2006

Brincando com o futuro

O governo português apresentou o orçamento de estado para 2007. Andam a brincar com o futuro do país.

Existem pessoas que acreditam que estão a fazer um bom trabalho! Gerir assim um país é fácil. É cortar, não aumentar benefícios, aumentar impostos, taxas, encerrar urgências, aumentos abaixo da inflação, corta o investimento publico, corte na PJ, privatizar. Viva o TGV e o aeroporto.

Andam os senhores loucos (porque estão mesmo convencidos que estão a fazer um bom trabalho). Como loucos que são vivem no seu mundo, não escutam e não olham. E rapidamente se desenvolve o drama social.

terça-feira, setembro 26, 2006

Democracia segundo Saramago

Cidadãos do mundo,

"A Democracia na realidade não existe. Quem verdadeiramente manda são as instituições que não têm nada de democráticas, como o Fundo Monetário Internacional, as fábricas de armas, as multinacionais farmacêuticas" JOSÉ SARAMAGO, ao jornal italiano "La Stampa".

Concordo.

sábado, agosto 19, 2006

Sunshine

Sunshine on my shoulders makes me happy
Sunshine in my eyes can make me cry
Sunshine on the water looks so lovely
Sunshine almost always makes me high

If I had a day that I could give you
I’d give to you a day just like today
If I had a song that I could sing for you
I’d sing a song to make you feel this way

Sunshine on my shoulders makes me happy
Sunshine in my eyes can make me cry
Sunshine on the water looks so lovely
Sunshine almost always makes me high

If I had a tale that I could tell you
I’d tell a tale sure to make you smile
If I had a wish that I could wish for you
I’d make a wish for sunshine all the while

Sunshine on my shoulders makes me happy
Sunshine in my eyes can make me cry
Sunshine on the water looks so lovely
Sunshine almost always makes me high
Sunshine almost all the time makes me high
Sunshine almost always

Words by John Denver, Music by John Denver, Dick Kniss and Mike Taylor

segunda-feira, agosto 14, 2006

Experimentar ser um mosaico mais colorido!

a propósito de um filme recente e bastante divertido sobre aventuras de piratas nas caraíbas fiquei a pensar nas caracteristicas das pessoas e a sua vontade de sentir/experimentar outras aparentemente exteriores. A um determinado momento do filme, duas personagens colocam a hipotese de experimentar actuar de forma quase oposta a sua maneira de ser.

embora no filme se refira especificamente a actuar guiando-se exclusivamente pelo ego ou fazer algo para o bem dos outros arriscando-se, será que nos podemos estender dessa forma? podemos alcançar uma nova característica? é possível construirmo-nos conscientemente?

Constatamos as nossas virtudes e defeitos. Quando pensamos em nós podemos observá-las com clareza. São inatas?! como é que as adquirimos, por experiencia ou por circunstância? Ou só podemos escolher entre um leque de opções permitido num determinado espaço e tempo?

Serão as nossas caracteristicas resultados das nossas escolhas?

Partindo do presente será possível conseguirmo-nos uma nova caracteristica? Ganharmos mais um pedaço para o nosso mosaico?

Boas descobertas, cidadãos!

(aviso desde já os que não viram o 2º filme da saga Piratas das Caraíbas que este é apenas metade da historia)

terça-feira, agosto 01, 2006

Alegria II

Alegría

Artist: Cirque Du Soleil
Album: Alegría
Year: 1994
Title: Alegría


Alegria
Come un lampo di vita
Come un pazzo gridar
Alegria
Del delittuoso grido
Bella ruggente pena
Seren
Come la rabbia di amar
Alegria
Come un assalto di gioia

Alegria
I see a spark of life shining
Alegria
I hear a young minstrel sing
Alegria
Beautiful roaring scream
Of joy and sorrow,
So extreme
There is a love in me raging
Alegria
A joyous, magical feeling

Alegria
Como la luz de la vida
Alegria
Como un payaso que grita
Alegria
Del estupendo grito
De la tristeza loca
Serena
Como la rabia de amar
Alegria
Como un asalto de felicidad

sexta-feira, julho 28, 2006

Alegria - I

Escravo da Alegria
(Miltinho e Toquinho)

Eu que andava nessa escuridão
De repente foi me acontecer
Me roubou o sono e a solidão
Me mostrou o que eu temia ver
Sem pedir licença nem perdão
Veio louca pra me enlouquecer
Vou dormir querendo despertar
Pra depois de novo conviver
Com essa luz que veio me habitar
Com esse fogo que me faz arder
Me dá medo, vem me encorajar
Fatalmente me fará sofrer

Ando escravo da alegria
Hoje em dia, minha gente
Isso não é normal
Se o amor é fantasia
Eu me encontro ultimamente
Em pleno carnaval


Vivam alegres, cidadãos!

terça-feira, julho 25, 2006

Manipulação da verdade + 1 exemplo

Hoje surgiu a notícia que Manuel Alegre irá receber uma pensão de três mil e tal euros por ter trabalhado meia dúzia de meses na RDP. Nada mais falso. A reforma diz respeito à sua contribuição como deputado, e como chegou aos 70 anos, foi reformado compulsivamente. Optou, segundo as novas regras, por um terço da reforma mais o vencimento actual.

Aqui está um exemplo do jornalismo da nossa sociedade. Mesmo que não houvesse intenção declarada de manchar a imagem de Alegre, existe um grave problema na construção desta notícia: a verdade. A explicação vem após a notícia. Os visados, neste caso apenas um, sentem-se obrigados a explicar como tivessem que justificar algo de quase criminoso de uma não notícia. Se o criador do alarme investigasse não haveria notícia. Ou, se quisermos imaginar, a não notícia tinha um objectivo e que não foi por acaso.

Não é a primeira nem será a última vez que acontece este tipo de situação Eu concluo que, com mais este exemplo, existem cada vez mais notícias na comunicação social fruto da incompetência, da manipulação, e da dependência de ‘grupos de pressão’ (leia-se máfia).

Alerto mais uma vez para os cidadãos se revoltarem! Apelo à revolta contra o sistema podre que regula as nossas vidas, que forma as circunstâncias onde vivemos.

sexta-feira, julho 21, 2006

Hoje é um bom dia para morrer

Cidadãos,

uma das expressões que gosto de dizer é 'Hoje é um bom dia para morrer!'. apesar de me lembrar dela apenas de vez em quando, recentemente li-a como um complemento de um nick de um amigo no messenger.

não sei como é que usualmente é interpretado, se negativa ou positivamente. eu acho-a interessante porque consegue transmitir uma sensação de optimismo. parece contraditório visto que a morte não é, por hábito, um acontecimento bom.

vou tentar explicar. é como chegar a um ponto em que se podia dizer uma frase da familia da outra:'se morresse hoje morreria feliz!'. encarar o dia com a sensação de que se morrer, morreria num dia fantástico. ou se morrer terá valido a pena ter vivido esse dia.

talvez seja uma frase da familia da expressao 'Carpe diem!', mas eu julgo que será uma prima afastada.

um bom dia para todos

quinta-feira, julho 20, 2006

o problema do momento - como desbloquear?

Caros Cidadãos do Mundo,

como é que às vezes um problema só nos ocupa tanto e de tal forma que consegue bloquear a nossa mente? Parece que se torna do tamanho do mundo, ou mundo se ajusta ao tamanho do problema... por fim acaba por ser solucionado. no entanto tudo o que nos rodeia parece imutavel, pouco importante. como é que com a nossa capacidade mental (em que às vezes sentimos o seu funcionamento fenomenal a coordenar várias linhas de pensamento) deixa de funcionar...

onde/quando é que desbloqueamos? se descobrirmos o mecanismo podemos evitar embaraços / desculpas / mal-entendidos / desperdício de tempo / complicações / oportunidades.

bons desbloqueios...

quarta-feira, julho 12, 2006

Obrigado... mas não abusem

Está boa esta do Madaíl ter pedido para não se cobrar impostos sobre os prémios dos jogadores da selecção nacional. Coitadinhos, já ganham tão pouco e ainda por cima serem "obrigados" (termo utilizado em machete pelo, sempre hilariante, Correio da Manhã) a pagar impostos. Sim, porque todos nós os pagamos de livre vontade... como temos salários elevados.
Mas gostei da resposta do Sr. Ministro das finanças:"Obrigado pelo trabalho que fizeram, mas os sacrificios são para todos" ou qualquer coisa parecida.
Ai, ai... A malta ficou contente com o 4º lugar, mas não abusem. Se tivessem trazido a taça para casa talvez tivessem mais sorte. Mas assim, sem medalha nem nada ...

quinta-feira, julho 06, 2006

Faltou um bocadinho assim ....

Pois é, gostava de estar a escrever um post daqueles tipo: "somos os maiores. ah! ah! empurramos os bifes com champagne" ... mas não. Eles é que fizeram a festa.
Aquele penálti ... Acho que não foi um escândalo. Houve 2 situações: uma contra portugal que o árbitro marcou e, outra a favor, que não marcou. Provavelmente estava pior colocado para ver, não sei.
Sei é que os media franceses fizeram uma campanha contra o árbitro dizendo que ele era corrupto, etc. Resultou! Na hora de avaliar, com medo de ser enxovalhado pela imprensa francesa outra vez, ele fez o que lhe pareceu mais correcto.
Contudo, não foi por isso que perdemos. Se tivéssemos marcado as oportunidades de golo que tivemos tínhamos ganho. Não aconteceu, Viva Portugal!! de qualquer forma. Afinal quem diria que ficaríamos entre os 4 primeiros do mundo.
Viva Portugal!!!!

segunda-feira, julho 03, 2006

Mundial, outra vez

Pois é, parece que pelo menos o 4º lugar já ninguém nos tira!! Excelente.
Até o Jorge Gabriel estava mais contido :o).
Gostei! Gostei da atitude dos jogadores. Parecia ao contrário, nós os pequeninos, parecíamos uns senhores e eles pareciam uns meninos. Muito Bom. Vamos lá ver na 4ª. Temos melhor equipa, mas a França é lixada.
Parece que fizemos um favor aos Alemães ao mandar para casa a Inglaterra, e com ela os queridos hooligans. Também nisso fomos porreiros.

Vi o jogo em casa da minha irmã e do meu cunhado, com alguns amigos. Foram momentos inesquecíveis, de sofrimento e alegria (ai aquele golo em fora de jogo festejado como válido, até fiquei com os braços e as pernas dormentes da emoção).

Viva os 23 que estão na Alemanha.